Shop this Blog

Óleo de lavanda em cuidados com a pele

Óleo de lavanda nos cuidados com a pele

A lavanda (Lavandula angustifolia) tem sido cultivada e processada por seu óleo há séculos em todo o mundo porque possui potentes propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias.

Atualmente, o óleo de lavanda continua sendo um dos ingredientes mais populares nos cuidados com a pele, por mais do que apenas seu aroma calmante.

Não contém nenhum ácido graxo hidratante, mas é rico em compostos naturais que desempenham muitas funções no cuidado da pele.

Este blog é sobre os benefícios, efeitos colaterais e usos do óleo de lavanda nos cuidados com a pele e os cabelos.




O que é óleo de lavanda?

O óleo de lavanda é um óleo essencial comumente usado nas indústrias de cuidados com a pele e fragrâncias por seu aroma agradável e benefícios antimicrobianos.

É apreciado por muitos tipos de pele sensível e é considerado um dos óleos essenciais mais suaves conhecidos. (5)

Não contém gorduras, o que significa que não é tecnicamente um "óleo verdadeiro."

É extraído de flores de lavanda cultivadas principalmente na França, mas com várias espécies presentes naturalmente em todo o Mediterrâneo e no mundo.

Tem textura fina, quase aquosa, e pode ser encontrada em dezenas de produtos, desde sabonetes até protetores solares.

 

Quais são os compostos ativos?

O composto ativo mais significativo do óleo de lavanda é o terpeno antimicrobiano antiinflamatório, antioxidante chamado linalol. (6,53)

O linalol é um composto derivado do acetato de linalila, que é ainda mais comum no óleo de lavanda do que o linalol, mas menos ativo. (4,5,17,18)

Não há nenhum teor notável de ácidos graxos no óleo de lavanda.

O óleo de lavanda é composto de muitos compostos vegetais naturais diferentes, como:

Taninos

Cumarinas

Flavonóides

Triterpenóides

E compostos altamente valorizados em óleos essenciais, como:

Álcoois sesquiterpenóides

Ésteres

Cetonas

Óxidos


 

Benefícios do óleo de lavanda

Os compostos ativos da lavanda contribuem para um óleo com grande capacidade antimicrobiana, antioxidante, antiinflamatória e de clareamento da pele.

É comumente usado para perfumar produtos para a pele porque tem uma fragrância muito desejável.

Como antioxidante, é bom no tratamento dos danos causados ​​pelo sol, ligando os radicais livres à pele. (53)

Descobriu-se que ele trata muitos tipos de infecções de pele, condições inflamatórias e até problemas de perda de cabelo. (8,22)

Estudos descobriram que a lavanda e o óleo da árvore do chá são eficazes na eliminação de piolhos. (23)

Em humanos e em muitas outras espécies animais, foi demonstrado que a lavanda funciona bem como um sedativo quando inalado (3), e até mesmo como um analgésico decente de curto prazo após cirurgias.(25)

 

É seguro?

O óleo de lavanda aplicado topicamente é considerado seguro, além das chances de ter uma reação alérgica.

A maioria dos recursos, incluindo o EWG, considera o óleo de lavanda seguro, com a classificação do EWG sendo "2", sendo apenas alérgenos considerados como preocupações.

O uso oral de lavanda não é recomendado durante a gravidez devido a algumas alegações de citotoxicidade.

Fora dessas preocupações, ainda é um antiinflamatório, antimicrobiano e antioxidante bem conceituado, usado em muitos produtos para a pele.

Também não há sinais de que a lavanda interaja com outras drogas no corpo. (7)


Efeitos colaterais

Alguns estudos apoiam a afirmação de que o óleo de lavanda não deve ser consumido por via oral (7) porque algumas pesquisas sugeriram que o óleo de lavanda tem efeitos citotóxicos quando consumido por via oral. (5)

Dito isto, não foi demonstrado que o óleo de lavanda seja perigoso em produtos cosméticos tópicos ou para fins aromaterapêuticos.

Se você tem pele extremamente seca, o óleo de lavanda pode contribuir para a desidratação da pele porque não contém ácidos graxos hidratantes.

Reações alérgicas são bastante comuns a detergentes ou ambientadores feitos com óleo de lavanda. (31)

À medida que o óleo de lavanda fica no ar, ele oxida, o que o torna um alérgeno mais potente. (33,34) Por esta razão, produtos mais antigos têm maior probabilidade de causar uma reação alérgica do que produtos de lavanda recém-abertos.

As reações alérgicas à lavanda podem incluir coceira, vermelhidão e outros tipos de inflamação leve.

Esses mesmos estudos também descobriram que os dois compostos primários do óleo de lavanda, o linalol e o acetato de linalila, geralmente não são os compostos que desencadeiam uma alergia.

Isso significa que os produtos que contêm linalol ou acetato de linalila têm menos probabilidade de serem alergênicos do que o óleo de lavanda puro. (5,33)



Usos em cuidados com a pele

O óleo de lavanda pode ser encontrado em muitos tipos de produtos para a pele, como géis de banho, condicionadores, xampus, protetores labiais, protetores solares, hidratantes e tratamentos para manchas escuras, para citar um pouco.

Como não possui ácidos graxos hidratantes, não é ideal para tipos de pele seca ou condições.

Compre de acordo com seu tipo de pele Baumann para ter certeza de comprar apenas os produtos certos para sua pele!



Manchas escuras

Algumas evidências sugerem que o óleo de lavanda é um inibidor da tirosinase fraco, o que significa que ajuda a interromper a produção de melanina. (52)

É uma forma natural de tratar a hiperpigmentação da pele. No entanto, como outros compostos clareadores naturais da pele, o óleo de lavanda só é realmente eficaz em combinação com outros ingredientes clareadores da pelecomo bloqueadores PAR-2 ou outros inibidores da tirosinase.

Alguns dos ingredientes clareadores de pele mais comuns ou notórios que podem ser usados ​​com lavanda para clarear a pele são:

Arbutin

Cisteamina

Hexilresorcinol

Hidroquinona

Ácido kójico

Extrato de alcaçuz

Niacinamida

Resorcinol


Cuidado capilar

O óleo de lavanda contém propriedades antioxidantes significativas através de seus vários compostos ativos. (53)

Os antioxidantes são importantes para o cuidado do cabelo porque ajudam a protegê-lo dos danos do sol e a eliminar os radicais livres no couro cabeludo e nos folículos.

É um aditivo super comum em muitos produtos para os cabelos, como xampus, porque não contém óleos e elimina bactérias.


Acne

O óleo de lavanda não contém ácidos graxos e não é comedogênico, o que significa que não causa poros obstruídos.

Pode ser usado em combinação com ingredientes como retinóides ou outros compostos para tratamento de acne como ácido salicílico, dependendo do seu regime personalizado de cuidados com a pele.

Ele também contém potentes propriedades antibacterianas através de seus compostos ativos como o linalol, que eliminam bactérias causadoras de acne.

A lavanda tem efeito relaxante e reduz o estresse; o estresse pode piorar a acne.

Se você não é alérgico ao óleo de lavanda, ele pode ser um ótimo complemento à sua rotina de tratamento da acne.


Infecções

Muitos tipos de infecções de pele, de bacterianas a fúngicas, podem ser tratadas com diferentes produtos contendo óleo de lavanda. Muitas vezes é combinado com óleo da árvore do chá para tratar infecções na pele natura.

O óleo de lavanda pode ser encontrado em muitos cremes desinfetantes por seus benefícios antimicrobianos, que comprovadamente tratam doenças como infecções por estafilococos. (8)

Se você tiver uma infecção bacteriana ou fúngica na pele, os produtos que você usa podem já conter óleo de lavanda!


Produtos com óleo de lavanda

Não deixe de responder ao nosso teste para encontrar os melhores produtos de óleo de lavanda para o seu tipo de pele!



Aqui estão alguns dos nossos produtos favoritos que contêm óleo de lavanda:




Level up larger font.jpg

Aqui estão algumas das melhores referências sobre óleo de lavanda nos cuidados com a pele:

  1. Baumann LS. Cosmecêuticos botânicos menos conhecidos. Dermatol Ther. 20:330, 2007.
  2. Mills S, Bone K. Princípios e Prática da Fitoterapia: Fitoterapia Moderna. Londres, Churchill Livingstone, 2000, pp. 29-30.
  3. Cavanagh HM, Wilkinson JM. Atividades biológicas do óleo essencial de lavanda. Phytother Res. 16:301, 2002.
  4. Lis-Balchin M, Hart S. Estudos sobre o modo de ação do óleo essencial de lavanda (Lavandula angustifolia P. Moleiro). Phytother Res. 13:540, 1999.
  5. Prashar A, Locke IC, Evans CS. Citotoxicidade do óleo de lavanda e seus principais componentes para as células da pele humana. Proliferação celular. 37:221, 2004.
  6. Woronuk G, Demissie Z, Rheault M, et al. Biossíntese e propriedades terapêuticas dos constituintes do óleo essencial de Lavandula. Planta Med. 77:7, 2011.
  7. Hoffmann D. Fitoterapia Médica: A Ciência e Prática da Fitoterapia. Rochester, VT, Healing Arts Press, 2003, pp. 489, 561-2.
  8. Roller S, Ernest N, Buckle J. A atividade antimicrobiana de óleos com alto teor de necrodano e outros óleos de lavanda em Staphylococcus aureus sensíveis e resistentes à meticilina (MSSA e MRSA). J Altern Complement Med. 15:275, 2009.
  9. Ben Salah M, Abderraba M, Tarhouni MR, et al. Efeitos da radiação ultravioleta na cinética de absorção percutânea in vitro do óleo de lavanda. Int J Pharm. 382:33, 2009.
  10. Denner SS. Lavandula angustifolia Miller: lavanda inglesa. Prática de Enfermagem Holista. 23:57, 2009.
  11. Basch E, Foppa I, Liebowitz R, et al. Lavanda (Lavandula angustifolia Miller). J Herb Farmacêutico. 4:63, 2004.
  12. Wu J. Tratamento da rosácea com ingredientes fitoterápicos. J Drogas Dermatol. 5:29, 2006.
  13. Aburjai T, Natsheh FM. Plantas utilizadas em cosméticos. Phytother Res. 17:987, 2003.
  14. Evandri MG, Battinelli L, Daniele C, et al. A atividade antimutagênica do óleo essencial de Lavandula angustifolia (lavanda) no ensaio de mutação reversa bacteriana. Toxicol Químico Alimentar. 43:1381, 2005.
  15. Hajhashemi V, Gannadi A, Sharif B. Propriedades antiinflamatórias e analgésicas dos extratos de folhas e óleo essencial de Lavandula angustifolia Mill. J Etnofarmacol. 89:67, 2003.
  16. Akhondzadeh S, Kashani L, Fotouhi A, et al. Comparação de Lavandula angustifolia Mill. Tintura e imipramina no tratamento da depressão leve a moderada: um ensaio duplo-cego randomizado. Prog Neuropsicofarmacol Biol Psiquiatria. 27:123, 2003.
  17. Bickers D, Calow P, Greim H, et al. Uma avaliação toxicológica e dermatológica do linalol e ésteres relacionados quando usados ​​como ingredientes de fragrâncias. Toxicol Químico Alimentar. 41:919, 2003.
  18. Di Sotto A, Mazzanti G, Carbone F. Genotoxicidade do óleo de lavanda, acetato de linalila e linalol em linfócitos humanos in vitro. Environ Mol mutagênico. 52:69, 2011.
  19. Bradley BF, Brown SL, Chu S, et al. Efeitos do óleo essencial de lavanda administrado por via oral nas respostas a clipes de filmes que provocam ansiedade. Hum Psicofarmacol. 24:319, 2009.
  20. Cornwell S, Dale A. Óleo de lavanda e reparação perineal. Mod Parteira. 5:31, 1995.
  21. Hay IC, Jamieson M, Ormerod AD. Ensaio randomizado de aromaterapia. Tratamento bem sucedido para alopecia areata. Arco Dermatol. 134:1349, 1998.
  22. Sosa S, Altinier G, Politi M, et al. Extratos e constituintes de Lavandula multifada com atividade antiinflamatória tópica. Fitomedicina. 12:271, 2005.
  23. Barker SC, Altman PM. Um estudo de eficácia comparativo randomizado, cego e de grupos paralelos de três produtos para o tratamento de piolhos em crianças – óleo de melaleuca e óleo de lavanda, piretrinas e butóxido de piperonila e um produto de “sufocação”. BMC Dermatol. 10:6, 2010.
  24. Sheikhan F, Jahdi F, Khoei EM, et al. Alívio da dor na episiotomia: Uso de essência de óleo de lavanda em primíparas iranianas. Complemento Ther Clin Pract. 18:66, 2012.
  25. Vakilian K, Atarha M, Bekradi R, et al. Vantagens curativas do óleo essencial de lavanda durante a recuperação da episiotomia: um ensaio clínico. Complemento Ther Clin Pract. 17:50, 2011.
  26. Jones C. A eficácia do óleo de lavanda no trauma perineal: uma revisão das evidências. Complemento Ther Clin Pract. 17:215, 2011.
  27. Altaei DT. Óleo tópico de lavanda para o tratamento de ulcerações aftosas recorrentes. Sou J Dent. 25:39, 2012.
  28. Baccaglini L. Há evidências limitadas de que o óleo tópico de lavanda é eficaz no tratamento paliativo da estomatite aftosa recorrente. Prática Dent Baseada em J Evid. 13:47, 2013.
  29. Tirabassi G, Giovannini L, Paggi F, et al. Possível eficácia dos óleos de lavanda e tea tree no tratamento de mulheres jovens afetadas por hirsutismo idiopático leve. J Endocrinol Invest. 36:50, 2013.
  30. Sugiura M, Hayakawa R, Kato Y, et al. Resultados de testes de patch com óleo de lavanda no Japão. Dermatite de contato. 43:157, 2000.
  31. Kim HM, Cho SH. O óleo de lavanda inibe reações alérgicas de tipo imediato em camundongos e ratos. J Pharm Pharmacol. 51:221, 1999.
  32. Sköld M, Hagvall L, Karlberg AT. A autoxidação do acetato de linalila, o principal componente do óleo de lavanda, cria potentes alérgenos de contato. Dermatite de contato. 58:9, 2008.
  33. Hagvall L, Sköld M, Bråred-Christensson J, et al. O óleo de lavanda carece de proteção natural contra a autooxidação, formando fortes alérgenos de contato quando exposto ao ar. Dermatite de contato. 59:143, 2008.
  34. Goiriz R, Delgado-Jiménez Y, Sánchez-Pérez J, et al. Dermatite de contato fotoalérgica por óleo de lavanda em cetoprofeno tópico. Dermatite de contato. 57:381, 2007.
  35. Matthieu L, Meuleman L, Van Hecke E, et al. Alergia de contato e fotocontato ao cetoprofeno. A experiência belga. Dermatite de contato. 50:238, 2004.
  36. Henley DV, Lipson N, Korach KS, et al. Ginecomastia pré-puberal associada aos óleos de lavanda e tea tree. N Engl J Med. 356:479, 2007.
  37. Francis MJ, Gulati N, Pashley RM. A dispersão de óleos naturais em água desgaseificada. J Colloid Interface Sci. 299:673, 2006.
  38. Boehm K, Büssing A, Ostermann T. Aromaterapia como tratamento adjuvante no tratamento do câncer – uma revisão sistemática descritiva. Afr J Tradit Complement Altern Med. 9:503, 2012.
  39. Warnke PH, Becker ST, Podschun R, et al. A batalha contra cepas multirresistentes: Renascimento dos óleos essenciais antimicrobianos como uma força promissora no combate às infecções adquiridas em hospitais. J Craniomaxilofac Surg. 37:392, 2009.
  40. Zhang Z, Chen H, Chan KK, et al. Análise por espectrometria de massa por cromatografia gasosa de álcool perílico e metabólitos no plasma. J Chromatogr B Biomed Sci Appl. 728:85, 1999.
  41. Loutrari H, Hatziapostolou M, Skouridou V, et al. O álcool perílico é um inibidor da angiogênese. J Pharmacol Exp Ther. 311:568, 2004.
  42. Saeki Y. O efeito do escalda-pés com ou sem óleo essencial de lavanda no sistema nervoso autônomo: um ensaio randomizado. Complemento Ther Med. 8:2, 2000.
  43. Morris N. Os efeitos dos banhos de lavanda (Lavendula angustifolium) no bem-estar psicológico: dois ensaios exploratórios de controle randomizado. Complemento Ther Med. 10:223, 2002.
  44. Holmes C, Hopkins V, Hensford C, et al. Óleo de lavanda como tratamento para comportamento agitado na demência grave: um estudo controlado por placebo. Int J Geriatr Psiquiatria. 17:305, 2002.
  45. Moss M, Cook J, Wesnes K, et al. Aromas de óleos essenciais de alecrim e lavanda afetam diferencialmente a cognição e o humor em adultos saudáveis. Int J Neurosci. 113:15, 2003.
  46. Xu F, Uebaba K, Ogawa H, et al. Efeito farmaco-fisiopsicológico do tratamento ayurvédico de gotejamento de óleo com óleo essencial de Lavandula angustifolia. J Altern Complement Med. 14:947, 2008.
  47. Howard S, Hughes BM. As expectativas, e não o aroma, explicam o impacto da aromaterapia com lavanda nos índices psicofisiológicos de relaxamento em mulheres jovens saudáveis. Br J Saúde Psicol. 13:603, 2008.
  48. Grunebaum LD, Murdock J, Castanedo-Tardan MP, et al. Efeitos da entrada olfativa da lavanda em procedimentos cosméticos. J Cosmet Dermatol. 10:89, 2011.
  49. Hongratanaworakit T. Efeitos aromaterapêuticos da massagem com óleos essenciais misturados em humanos. Nat Prod Comun. 6:1199, 2011.
  50. Salido, S., Altarejos, J., Nogueras, M., Sanchez, A., & Luque, P. (2004). Composição química e variações sazonais do óleo de lavanda do sul da Espanha. Journal of Essential Oil Research, 16(3), 206-210.
  51. Bia?o?, M., Krzyřko-župicka, T., Nowakowska-Bogdan, E.e Wieczorek, P. P (2019). Composição química de dois óleos essenciais de lavanda diferentes e seus efeitos na microbiota da pele facial. Moléculas, 24(18), 3270.
  52. Fiocco, D., Fiorentino, D., Frabboni, L., Benvenuti, S., Orlandini, G., Pelati, F.e Gallone, A. (2011). Óleos essenciais de lavanda e hortelã-pimenta como inibidores eficazes da tirosinase de cogumelos: um estudo básico. Diário de sabores e fragrâncias, 26(6), 441-446.
  53. Danh, L. T, Triet, N. D A, Zhao, J., Mammucari, R.e Foster, N. (2012). Atividade antioxidante, rendimento e composição química do óleo essencial de lavanda extraído por CO2 supercrítico. The Journal of Supercritical Fluids, 70, 27-34.

Comentários 0

Deixe um comentário

Observe que os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

    1 out of ...